O que é Anatomia Patológica?

O que é Anatomia Patológica?

O que é anatomia patológica

 

Anatomia patológica é uma das áreas da patologia que oferece diagnósticos através da análise de materiais específicos. Saiba mais sobre este assunto neste artigo!

 

Todos os recursos empregados para análises e diagnósticos mais rápidos são bem vindos.

 

Felizmente as novas tecnologias possibilitam investigações complexas e completas sobre a influência da hereditariedade na saúde do indivíduo, bem como as origens de doenças infecciosas, tumores e outras.

 

Essas inovações, no entanto, ainda são restritas a grandes centros. São entidades especializadas, com níveis técnicos altíssimos e profissionais habilidosos, unidos por um grande propósito: a precisão e rapidez em diagnósticos.

 

Além da precisão e agilidade, é necessário também que o médico e seu paciente possam contar com laudos seguros que cheguem o quanto antes até eles.

 

Enfim, há muito o que falar sobre  anatomopatologia e faremos isso neste texto. Continue a ler nos seguintes tópicos:

 

  1. História da patologia
  2. O que é anatomia patológica?
  3. Onde é aplicada a anatomia patológica?
  4. Principais benefícios da anatomia patológica
  5. Como são os laudos de anatomia patológica?

História da patologia

A origem da patologia se dá na Grécia Antiga, onde inclusive ganhou o seu nome.

 

Patologia vem das palavras gregas “Pathos”, que pode significar sofrimento ou doença e  “Logos” que, como sabemos, significa estudo.

 

Mas o interesse pelos males que afligem o ser humano sempre existiu – afinal de contas, onde há vida, existem também as chagas da enfermidade.

 

No entanto, a causa sempre foi atribuída aos Deuses, ainda que na Índia, na Babilônia e no Egito, houvesse iniciativas surpreendentes neste campo.

 

É difícil marcar um ponto inicial da criação da patologia, mas sem dúvida as ideias que vinham da escola de Hipócrates (que viveu supostamente entre 460 e 370 A.C.) tiveram grande impacto.

 

Seus pensamentos marcaram tanto a história da patologia que seus ensinamentos continuam a influenciar a medicina milênios depois.

 

De toda forma, nós podemos dividir a patologia em fases, onde eram diversas as explicações sobre as origens das doenças.

 

Na idade antiga até o século XIV, graças à influência de Hipócrates, tivemos a fase humoral.

 

Nela, as doenças tinham origem na falta de equilíbrio dos líquidos corporais, tais como:

 

  • Água;
  • Linfa;
  • Sangue.   

 

Já na Renascença, dos séculos XV a XVI, começaram a se observar os órgãos corporais e a realização de necropsia para entender a causa das doenças.

 

Chama atenção o nome de Giovanni Battista Morgagni que, em 1871, no seu livro “Sobre os lugares e as causas das doenças anatomicamente verificadas” descreve suas experiências com necropsias.

 

O momento seguinte é conhecido como fase tecidual, onde se deu atenção à formação e como se estruturam os tecidos. Ele vai do século XVI ao XVIII.

 

Já no século XIX temos a fase celular, graças à introdução do microscópio, onde se pode analisar as células, algo impossível antes.

 

E o pai desta fase da patologia é Rudolf Virchow, que deu o pontapé inicial no entendimento patológico que temos hoje

 

E atualmente estamos na fase ultracelular, onde se estuda genética e biologia molecular – uma pesquisa mais profunda para descobrir a causa das doenças, somente possível devido à nossa tecnologia.

 

O que é anatomia patológica?

Anatomia patológica

 

A anatomia patológica é uma das esferas da medicina e da patologia, onde a proposta é o diagnóstico de doenças.

 

Esses diagnósticos ocorrem através de análises macroscópicas (em caso de amostras extraídas em cirurgias) e microscópicas (análise de tecidos e células).

 

Entretanto, essas análises são mais específicas em relação aos materiais, pois compreendem punções, necropsias, biópsias, e outras.

 

A anatomia patológica anda do lado de várias outras especialidades da medicina, já que ela trabalha analisando materiais que são extraídos do corpo humano em algum momento.

 

Desta forma, é natural considerarmos que ela é divida em duas modalidades distintas.

 

Uma delas é a citopatologia, que se dedica à análise celular.

 

Elas são obtidas através de diversos meios, tais como raspagem ou esfregação, e o conhecido exame de Papanicolau é um bom exemplo.

 

Temos também a patologia cirúrgica que lida com análise de materiais maiores, como órgãos e tecidos.

 

Onde é aplicada a anatomia patológica?

A saber, a anatomia patológica é aplicada onde há necessidade de maior precisão e detalhamento do diagnóstico.

 

Pois, certos tipos de exames, como os clínicos ou mesmo radiológicos, não conseguem responder perguntas fundamentais sobre o estado de saúde do paciente.

 

Então, usa-se a análise patológica para conseguir um diagnóstico precoce que, como sabemos, pode  aumentar consideravelmente a vida do paciente.

 

Tomemos, por exemplo, uma doença difícil de ser diagnosticada, como algumas categorias de câncer.

 

Com o uso da anatomia patológica, é possível conseguir antecipadamente um diagnóstico, que vai permitir que se adiante o tratamento.

 

Então, esta possibilidade de investigação é importante para garantir a saúde do paciente.

 

Principais benefícios da anatomia patológica

  • Ela permite que se realize diagnósticos com maior nível de precisão do que outros exames, além de ser mais rápida;
  • Diminui consideravelmente  a possibilidade de erros médicos, especialmente em se tratando de diagnósticos de doenças complicadas, tais como tumores, doenças infecciosas e inflamatórias;
  • Evita retornos desnecessários devido a diagnósticos incorretos ou pouco exatos;
  • Permite uma análise multidisciplinar, o que aumenta as chances de sucesso;
  • Produz laudos mais claros e completos sobre a situação do paciente, facilitando o trabalho de outros especialistas.  

 

Como são os laudos de anatomia patológica?

 

Os laudos que são emitidos por laboratórios especializados na área e trazem muita clareza e detalhamento da verdadeira condição do paciente.

 

Desta forma, o trabalho dos outros médicos responsáveis pelo paciente é facilitado, pois permitirá que eles tenham uma visão mais clara do problema em questão.

 

Primeiramente é feita uma análise detalhada do material.

 

Neste momento, diversos procedimentos, como cortes ou exames macro e microscópicos são utilizados para extrair o máximo de informação.

 

Após um detalhado exame, é emitido o laudo anatomapatológico. Nele constará:

 

  • As características do material que foi recebido pelo anatomista
  • O que foi encontrado após a realização dos exames;
  • Os possíveis diagnósticos para o problema do paciente.

 

Inclusive, pode constar no laudo a necessidade ou não de outros exames, caso ainda haja dúvidas com relação ao diagnóstico.

 

Em síntese, para gerenciar todas etapas de um laudo, entra nosso sistema de gestão para laboratórios de anatomia patológica e citopatologia.

 

De fato, uma ferramenta, que além de versátil, auxilia para diagnósticos mais rápidos nas mãos dos médicos, os quais podem iniciar o tratamento do paciente precocemente.

 

Enfim, vimos aqui um breve histórico sobre a anatomia patológica, além disso, vimos como é aplicada e seus benefícios.

 

Se o texto ajudou você de alguma maneira, compartilhe e comente!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat